• COMbART

    Revoluções, Protestos e Ativismos Estético-Políticos

Conferência

3 a 5 de julho de 2024

Local

Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Portugal

Chamada para Resumos

Até 15 de Março de 2024

Sobre a COMbART

COMBART - A4 - PT copy

O século XXI tem assistido a turbulências várias e a um contínuo reaparecimento de revoluções de protestos conduzindo a mudanças sociais.
Podemos, desde logo, tomar como exemplo, a Primavera Árabe que aconteceu no norte da África e no Oriente Médio, a partir de 2010. Estes movimentos lutaram por justiça, por democracia, pelos direitos humanos, pela dignidade da vida e contra os abusos policiais e/ou (para)militares. No mesmo período também eclodiram vários protestos como consequência da crise financeira, principalmente nos países do sul da Europa. Noutros contextos, como o Brasil, Hong-Kong, Quénia ou Senegal, também tem havido dinâmicas massivas de protesto, dirigidas ao poder. Concomitantemente, o período pós-pandémico viu despoletar guerras em larga escala. O século XXI tem-se pautado, por uma constante insegurança global, no sentido em que vários têm sido os confrontos militares e políticos, desde a Ucrânia e a Rússia, passando pelos conflitos no Sudão, Israel e Palestina. Em simultâneo assistimos à ascensão dos populismos, dos discursos xenófobos e homofóbicos, empregues por uma extrema-direita que ameaça um conjunto de valores que julgávamos garantidos. A mudança, a resistência e a oposição têm sido levadas a cabo, muitas vezes, por via da arte. Assistimos, no presente século, ao renascimento da arte política. É cada vez mais comum o empenho dos artistas na defesa de ideologias políticas e na elaboração de práticas ativistas engajadas com diferentes movimentos sociais— tais como os movimentos de justiça climática, feministas, LGBTQIA+, antirracistas, entre outros. Esta noção de arte política dialoga com múltiplas práticas performáticas e performatividades relacionadas com o campo mais alargado da criação artística. Estes protestos estéticos e visuais, na verdade, demonstram o potencial transformador dos indivíduos enquanto agentes sociais, ou seja, evidenciam que qualquer indivíduo é capaz de realizar ações estético-políticas. Historicamente, as artes têm-se associado a processos revolucionários de várias tipologias. Além da dimensão coletiva da revolução, também são de importante relevo os artistas que adotaram um posicionamento político e que retrataram a revolução e o protesto nas suas criações artísticas.

LER MAIS...

Keynote Speakers

Andy Bennett

 

 

Andy Bennett

 

 

Mary FogARTy

 

 

Mary FogARTy

 

 

Simone Luci Pereira

 

 

Simone Luci Pereira

 

São Paulo/Brasil. Professora e pesquisadora atuando na interface dos campos da Comunicação, Antropologia e Música. Interesses de pesquisa: juventudes; culturas urbanas; artivismos, práticas musicais; migrações/diáspora

DATAS IMPORTANTES


15 de Março, 2024

Data-limite para submissão de Resumos


15 de Abril, 2024

Data-limite de comunicação de resultados


30 de Abril, 2024

Data-limite para inscrições antecipadas

15 de Maio, 2024

Data-limite para inscrições tardias


1 de Junho, 2024

Divulgação do Programa Final


3 a 5 de Julho, 2024

Conferência

INSCRIÇÕES


Inscrição Antecipada


Estudantes - 40€

Profissionais - 85€

Inscrição Tardia


Estudantes - 60€

Profissionais - 120€

INSCRIÇÕES ABERTAS

CHAMADA PARA RESUMOS
15 de Março de 2024

PDF


organizado por punk.pt | Termos | Privacidade

powered by eventQualia